Guitarra, violão e baixo. O único curso direcionado ao seu objetivo.

Aqui você encontrará materiais para leitura, videos e muita informação sobre equipamentos, efeitos e dicas gerais.

Violão com Chorus, como é o som?

O chorus é um efeito com a finalidade de produzir a sensação de aumento na quantidade de sons. 

Ele é basicamente composto pela mescla ou mixagem do som original com ele mesmo, porém com leve oscilação na afinação e atrasado em até 20 ms. Caso o tempo seja maior temos a sensação de eco ao invés de aumento na quantidade de fontes sonoras.

Este efeito é muito utilizado para dar a sensação estéreo a sons originalmente mono. Muitos músicos de várias épocas utilizaram este efeito que foi originalmente encontrado a partir de um experimento do guitarrista Les Paul, que criava uma defasagem em estúdio atrasando um de dois discos iguais em uma gravação. Em estúdio é comum criar este efeito utilizando um segundo canal de gravação, com os sons exatamente iguais mas com um leve atraso no tempo.  

O que é um coro??? Bom, nada mais é do que várias pessoas tentando cantar em uníssono e não conseguindo por causa da afinação, devido a timbres e tempo diferentes que cada cantor executa. É o que acontece com esse efeito, ele produz pequenas desafinações (pitch) e atrasos de tempo de acordo com a regulagem. Instrumentos como violão de 12 cordas e bandolim produzem um Chorus natural devido à duplicidade das cordas e pequenos "comas" de diferença na afinação e o tempo de ataque (hora que a palheta toca uma corda e depois a outra).

O primeiro Chorus apareceu nos equipamentos em meados da década de 70. Primeiro no Space Echo da Roland e depois no amplificador Jazz Chorus da mesma marca. Em 1976 apareceu em formato de pedal o Chorus Ensemble (CE-1) da Boss e desde então o efeito se popularizou. 

No video você vai ouvir como exemplo uma guitarra com e sem o efeito.


Últimos posts:

Arquivo:

Rod. Castelo Branco, km 196 - Pardinho - São Paulo / CNPJ 32.771.734/0001-60                                                                                                          @2019 by Roberta Peregrinaldi