Guitarra, violão e baixo. O único curso direcionado ao seu objetivo.

Aqui você encontrará materiais para leitura, videos e muita informação sobre equipamentos, efeitos e dicas gerais.

Os equipamentos na vida de um músico profissional - Parte 6

Começar de novo

Naquele momento eu pensei muitas coisas, deveria recomeçar? Desistir? Eu só fiquei com o violão que era do meu pai, por coincidência, um pouco antes de casar, eu tinha ficado sem alunos, estava muito simples mudar de direção, eu trabalhava como vendedor em uma loja, acontece que a música falou mais alto, comprei uma guitarra bem mais simples do que as que eu tinha, era uma Ibanez S270:



Como ainda estávamos tocando em bares, algumas vezes eu utilizava equipamentos emprestados, por uma sorte do destino, um amigo resolveu que queria aprender a tocar violão, eu tinha meio que desistido das aulas, mas ele me encheu tanto que resolvi dar aulas para ele, acontece que ele trouxe um amigo que acabou também trazendo outro amigo, em um espaço curto de tempo, dando aulas a noite após o trabalho na loja, e de final de semana (todo sábado e domingo eu dava aulas quase que o dia todo), comecei a ganhar mais com as aulas do que o salário de vendedor, saí da loja e resolvi que agora eu viveria exclusivamente de música, pra isso, comprei mais um violão:



Minha RP1 Digitech

Como o dinheiro começou a aparecer dos alunos, comprei minha primeira pedaleira Digitech RP1 (famosa na época por seus drives matadores), acredito que nos passar dos anos eu tive pelo menos umas três pedaleiras desta:



Nesta mesma época eu comprei meu primeiro amplificador da Peavey e depois de um tempo a Digitech lançou a RP10 que eu comprei assim que saiu.

" O produtor famoso"

Nesta época eu estava decidido a entrar mais a fundo no meio profissional, eu ligava para tudo que é tipo de produtor musical, tentando descobrir se alguém poderia "dar uma chance” para minha nova banda. Um dia, de tanto encher, um grande produtor musical da época, foi até minha casa ouvir minha banda. Foi um trator passando em nossas cabeças, amassou todos nós sem dó, ele nos mostrou a realidade da música no nosso país. A banda simplesmente acabou naquela noite, todos percebemos que era um passo muito maior do que poderíamos dar.

Com esta nova informação, resolvi enveredar por outros caminhos, vendi meu equipamento todo e comprei coisas diferentes, comecei pela guitarra. Esta é uma guitarra Japan, Fender Foto Flame, com ela eu busquei por novas sonoridades comprando também um amplificador da Fender e uma nova pedaleira:



Além das aulas, comecei a tocar em todo tipo de trabalho que aparecia, de Reggae a MPB em restaurantes, acabei comprando também a minha primeira guitarra semi-acústica:




Entrei também de cabeça nos estudos da guitarra, estudei muito mesmo, dividia meu tempo entre as aulas que eu dava e meus estudos. Nesta época também eu comecei a produzir minhas primeiras gravações caseiras:



Ibanez Jem

Aquela velha paixão musical (na verdade eu "precisava" de uma guitarra que nunca saiu da minha cabeça), vendi a Fender e comprei esta menina:



Comprei minha primeira Jem Steve Vai 555, obviamente que não era exatamente a guitarra que ele utilizava (na loja no dia da compra, minha esposa não acreditava que eu me contentaria com este modelo um pouco mais simples), até a cor delas era diferente (tinha uma Jem 7WH ao lado da 555 na loja), o branco da Koreana era um pouquinho encardido.


N2 e o primeiro rack valvulado

Neste mesmo período eu comprei também uma guitarra N2, o rack Valve FX (Digitech) e meu primeiro pedal de Wha Wha Dunlop:




Rod. Castelo Branco, km 196 - Pardinho - São Paulo / CNPJ 32.771.734/0001-60                                                                                                                                     © 2019 by Roberta Peregrinaldi